Como pagar com QR Code no metrô paulista

Os pagamentos via QR Code já são uma realidade no Brasil. Muitas carteiras digitais, por exemplo, já utilizam essa tecnologia por conta da sua segurança e agilidade. Agora é a vez do metrô de São Paulo testar o pagamento com QR Code.

A Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos de São Paulo (STIM), desde o dia 18 de outubro de 2019, está com um projeto-piloto em que as pessoas podem optar por comprar os tradicionais bilhetes ou escolher o bilhete digital que conta com um QR Code.

Como é feita a compra do bilhete com QR Code?

Quem for utilizar o metrô paulista pode baixar o aplicativo VouD, que está disponível para Android e iOS. Por meio dele as pessoas compram o bilhete. O pagamento é feito por meio de cartão de crédito. Assim, ao final da compra a pessoa recebe um QR Code.

Ao passar pelas catracas do metrô, basta abrir o QR Code no celular e o mostrar para o validador. Assim, é feito a leitura do código e a passagem é liberada. 

No caso de não querer fazer a compra pelo smartphone, é possível comprar o código nas máquinas de autoatendimento. Para isso, é só usar um cartão de débito para pagar. Assim, o código bidimensional será impresso em papel.

Por enquanto, o projeto está em fase de teste até dia 5 de dezembro de 2019. Além disso, apenas algumas estações do metrô e do CPTM disponibilizaram esse serviço. No metrô, as catracas que contam com o leitor de QR Code são: São Judas (Linha 1-Azul), Paraíso (Linha 1-Azul e 2-Verde) e Pedro II (Linha 3-Vermelha). Já no CPTM, as catracas que contam com o leitor de QR Code são: Autódromo (Linha 9-Esmeralda), Dom Bosco (Linha 11-Coral), Tamanduateí (Linha 10-Turquesa) e Aeroporto-Guarulhos (Linha 13-Jade).

Quais são os benefícios de se utilizar o bilhete com QR Code no metrô?

O QR Code é uma tecnologia utilizada por conta da praticidade, agilidade e segurança que oferece. Sendo assim, ao utilizar bilhetes com QR Code no metrô, principalmente os que são comprados por meio do aplicativo VouD, os usuários podem desfrutar da praticidade de comprar ele de onde estiver, sendo que tenha internet para finalizar a compra.

Além disso, ao passar pela catraca, evita-se casos como a perda do bilhete, já que ele vai estar salvo no seu celular. Outro ponto é que o usuário economiza tempo, pois o processo de ler o código e liberar a catraca é bem rápido.

Sendo assim, a partir desse projeto-piloto que faz uso de pagamento mobile no metrô paulista, o STIM pode lapidar ainda mais a ideia e, provavelmente, no futuro implementar de vez o uso de bilhete com QR Code. Afinal, ele ainda está na fase de teste e até já foi renovado uma vez desde que o projeto-piloto iniciou. 

Por exemplo, em cidades da China, é comum o uso de QR Code para pagar a passagem em transporte público. Então, por que não implementá-lo no Brasil?

Então, se você é de São Paulo, aproveite para ir até uma dessas catracas do metrô ou do CPTM para testar como funciona essa tecnologia de pagamento com QR Code. 

Aliás, confira nosso post sobre principais aplicativos que já utilizam pagamentos via QR Code.


Posts relacionados

O que são fintechs?

O que são fintechs?

A tecnologia tem revolucionado muitos mercados nos últimos anos e um deles é o financeiro. Com isso surgiram...

Como será a revolução dos pagamentos instantâneos em 2020

Como será a revolução dos pagamentos instantâneos em 2020

O ano de 2020 está sendo muito esperado pelas fintechs e pela população que gosta de praticidade e...